Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zassu

30
Set19

ANTT - Novos Desafios - Ação em prole da construção de uma cidadania ativa

 

 

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO

 

 

NOVOS DESAFIOS

 

Torre do Tombo - Gárgulas (108)

(Arquivo Nacional Torre do Tombo - Gárgula «A guerra e a paz»/Fachada Posterior)

 

 

 

4.5.- O Arquivo Nacional Torre do Tombo e a sua ação em prole da construção de uma cidadania ativa

 

 

Espaços complexos de preservação e gestão dos testemunhos do passado, suportes da nossa memória, individual e coletiva, diz-nos Maria de Lurdes Henriques que “os arquivos apresentam-se hoje como fatores de sustentabilidade do sistema educativo. O desafio que se coloca, hoje, aos seus profissionais consiste em encontrar linhas de cruzamento entre os arquivos, o sistema educativo e as novas tecnologias, para dinamizar a valorização dos seus recursos patrimoniais, colocando-os ao serviço da formação da identidade cultural e consciência histórica dos jovens, enquanto cidadãos do futuro” (Henriques, 2013, p. 61).

As novas tecnologias aplicadas aos arquivos vieram permitir a possibilidade de uma maior visibilidade dos arquivos e dar início a um novo ciclo de relação entre os acervos documentais depositados e o público, colocando os arquivos, em especial o Arquivo Nacional Torre do Tombo ao serviço do cidadão.

Se, por um lado, as TIC vieram possibilitar esta nova visibilidade do Arquivo Nacional Torre do Tombo (bem assim de outros arquivos), por outro, coloca um novo e aliciante desafio: o de tentar abranger o universo dos cidadãos, em especial os jovens, como cidadãos do futuro.

Nesta perspetiva, os arquivos, e particularmente o Arquivo Nacional Torre do Tombo, devem desempenhar uma dupla função: “garantia de direitos do Estado e dos cidadãos e motor dinamizador da memória e da identidade cultural, sustentável pelas novas tecnologias” (Henriques, 2013, p. 62).

Ficou-se muito aquém o Despacho nº 9339/2012, de 11 de junho, acima citado, no seu ponto 2.1 quando acometeu, na sua alínea h), à Divisão de Comunicação e Acesso, do Arquivo Nacional Torre do Tombo, somente a promoção do estabelecimento de atividades associadas a um serviço educativo.

Como sabemos, a educação para a cidadania é um dos objetivos integrantes do Ministério da Educação, quando pretende a prossecução da Dimensão Europeia da Educação, ao visar “contribuir para a formação de pessoas responsáveis, autónomas, solidárias, que conhecem e exercem os seus direitos e deveres, em diálogo e no respeito pelos outros, com espírito democrático, pluralista, crítico e criativo, tendo como referência os valores dos direitos humanos” (Direção-geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular, Educação para a Cidadania, citado por Henriques, 2013, p. 63).

Contudo, se bem consultarmos o sítio da internet da Direção-geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular, e analisarmos os respetivos currículos escolares, desde o Ensino Básico até ao Secundário, não se vislumbra qualquer “perspetiva estruturada relacionada com o tema património, ainda que possa ser contemplado, numa ou noutra disciplina, mas sempre como matéria complementar” (Henriques, 2013, p. 63).

Maria de Lurdes Henriques, em tom de desabafo, logo a seguir, acrescenta que “disciplinas estruturantes como história ou Geografia assumem cada vez menos importância nos currículos dos nossos jovens” (idem).

Numa altura em que o Espaço Europeu de Ensino apela a uma educação não só de conhecimentos «elaborados», e apostando mais num novo paradigma educacional assente na aprendizagem, na aquisição de competências que permitam analisar, interpretar, interrogar e criticar os conhecimentos que se vão adquirindo, permitindo o seu cruzamento, e proporcionando uma abertura a novas perspetivas, o modelo educacional português vai ainda, com relativa lentidão, se adaptando (Henriques, 2013).

Ora, quer o «mundo» dos arquivos, em especial o do Arquivo Nacional Torre do Tombo, quer o do sistema educativo, forçosamente, têm de se adaptar à nova Era da Informação, construindo estratégias e implementando novas práticas de aprendizagem, nas quais os arquivos deverão ocupar um lugar de destaque, enquanto depositários dos testemunhos da atividade humana, cada vez mais acessíveis online, o que permite identificá-los como fatores de sustentabilidade do sistema educativo.

Maria de Lurdes Henriques, no artigo que vimos seguindo, dá-nos, em relação à Europa, dois exemplos de «boas práticas» - o Serviço Educativo dos Arquivos Nacionais de França e o Serviço Educativo do Arquivo do Reino Unido - nos quais, é bem patente, embora desenvolvendo processo, estratégias, ações e atividades diferenciadas, um correto relacionamento e boa coordenação entre os respetivos sistemas educativos e o papel dos arquivos e seus funcionários na formação do cidadão do futuro.

Em Portugal, pese embora a falta de consciencialização para a coordenação entre a atividade pedagógica dos arquivos (em especial o da Torre do Tombo) e os competentes sistemas escolares, a carecerem de legislação que verdadeiramente os enquadre e os coordene, o Serviço Educativo do Arquivo Nacional Torre do Tombo, dependente da Divisão de Comunicação e Acesso, apresenta as seguintes ofertas:

Visitas temáticas dirigidas a todos os níveis etários do ensino, com temas diversificados. De acordo com o sítio da Direção-geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), são estas as ofertas temáticas:

 

* Abolição da Pena de Morte e Cidadania Europeia

 

Tema com enfoque na apresentação da Lei da abolição da pena de morte e da reforma prisional associada. O papel pioneiro de Portugal nesta matéria.

 

* As origens da Língua portuguesa

 

Tema com enfoque na apresentação de documentos de referência sobre as origens da língua portuguesa.

 

* Formação e Evolução do Estado Português

 

Tema com enfoque na apresentação da Bula manifestis probatum e do Auto de aclamação de D. João I  referenciando o âmbito e o conteúdo destes documentos.

 

* Tribunal do Santo Ofício / Inquisição

 

Tema com enfoque na apresentação de documentação da Inquisição e o projeto de disponibilização online. Veja o vídeo da Conservação e Restauro.

 

* História de Família

 

Tema com enfoque na apresentação e localização de fontes para a Genealogia e História de Família.

 

* A Expansão Marítima Portuguesa

 

Tema com enfoque na cartografia, aspetos relativos à navegação astronómica e uso de instrumentos para determinação da latitude.

 

* Suportes de Escrita e Formas de Validação de Documentos

 

Tema com enfoque em diferentes suportes de escrita ilustrando algumas formas de validação de documentos.

 

* A PIDE/DGS E Outras Polícias Políticas

 

Tema com enfoque na caracterização dos diferentes níveis de acesso a esta documentação e demonstração de algumas possibilidades de pesquisa.

 

* Forais

 

Tema com enfoque nos forais à guarda da Torre do Tombo.

Para saber mais sobre o tema:

“O Foral: registos que contam histórias”

“Comissão do Exame dos Forais”

“Há 500 anos: presença e significado dos forais manuelinos”

 

* CPLP: Património Comum

 

Para cada um dos países da CPLP disponibiliza-se uma sumária mostra de documentos com enfoque no período de história comum.

Para saber mais sobre o tema:

 

CPLP: património comum (Arquivo Nacional Torre do Tombo/Preparar visita à TT, atualização de 23 de janeiro de 2015, p 1).

 

* Exposições e Mostras Documentais

 

Estão disponíveis permanentemente para captar públicos diferenciados. Estas exposições ultrapassam a mera divulgação do património, assumindo-se como uma função de mediação entre o documento e o público, numa perspetiva de formação cívica do cidadão.

 

* Digitalização e disponibilização online de documentos e dos meios indispensáveis à sua descodificação

 

Este serviço destina-se a propiciar ao cidadão um acesso rápido à distância. O início desta atividade foi em 2006, com a edição do Guia «Guardar Memórias... Abrir Caminhos...» (Henriques, 2013). Trata-se de um Guia direcionado para o público escolar, docentes e discentes, mas também para qualquer cidadão, qualquer que seja o seu nível etário. Para além de estar online, foi distribuído por todas as bibliotecas escolares do país. Em consequência da edição deste Guia, o Serviço Educativo do Arquivo Nacional Torre do Tombo assumiu uma postura mais dinâmica, pondo-se ao dispor das escolas para se realizarem visitas temáticas/curriculares, preparadas a partir de documentos de arquivo, visualizados em diferentes suportes, do original ao digital, e apoiados em textos didáticos/pedagógicos. De alguns temas lançados, merece-nos, em especial, a atenção de dois:

 

* A origem e a evolução da Língua Portuguesa

 

Trata-se de um tema no qual são apresentados vários documentos de diferentes épocas, tendo como documento «pivot» a Carta de Pero Vaz de Caminha, dado tratar-se de um documento fundamental para a História de Portugal e do Brasil.

 

* Da Literatura Medieval à Contemporânea

 

Trata-se de uma temática abrangente, que parte do Memorial do Convento, de Saramago, obra literária de leitura obrigatória para os alunos do Ensino Secundário e, a partir dela, cruzam-se e abordam-se várias fontes documentais dos séculos XVII e XVIII, destacando-se temas como a Inquisição (e a diáspora dos judeus); a máquina voadora do Padre Bartolomeu de Gusmão (a Passarola), uma das primeiras experiências mundiais do sonho de que um dia o homem seria capaz de voar; a construção do Mosteiro de Mafra (tema central); o casamento de D. João V com a princesa D. Maria de Áustria, etc..

 

* Exposições virtuais

 

Dirigidas para o público em geral, mas também para a população escolar, são 69 exposições online, constantes do sítio da DGLAB, das quais, pessoalmente, destacamos: «A TT ao encontro de todos», realizadas em 2011, 2012 e 2014; «O Suplício dos Távoras»; «Invasões Francesas»; «100 anos da República»; «Expulsão dos Jesuítas»; «Os guarda-mores da Torre do Tombo»; «D. Pedro e D. Inês»; «Conquista de Ceuta»; «A Abolição do Tráfico de Escravos»; «Tratado de Utreque»; «Foral Novo: Registos que contam histórias»; «Terramoto de 1755, a Torre do Tombo e Manuel da Maia»; «Embaixada de D. Manuel I ao Papa Leão X»; «Lugares de Memória»; «Conquista de Ceuta»; «500 anos da torre de Belém»; Série Preta|Catalogação concluída»; «Torre do Tombo - A Casa de milhões de documentos»; «Jornadas Europeias do Património 2016 - Património com vida» (Arquivo Nacional Torre do Tombo/Exposições virtuais, atualização de 19 de abril de 2017).

 

* Lições em aberto...

 

Maria de Lurdes Henriques referencia-nos uma outra aposta do Serviço Educativo do Arquivo Nacional Torre do Tombo - Lições em aberto... Eram dirigidas a uma heterogeneidade de públicos menos especializado, em especial o público escolar. O desiderato desta iniciativa (é) era o fomentar o conhecimento dos arquivos no século XXI. O seu pano de fundo eram as mostras documentais como estratégia privilegiada, baseada numa diversidade de abordagens. Ou seja, a partir do contacto com o arquivo e os seus técnicos, como verdadeiros mediadores da informação, contida nos documentos, (pretende-se) pretendia-se criar um ambiente, para o visitante, suscetível dele próprio fazer a sua própria leitura e análise, contextualizada em termos da produção do documento, utilizando diálogos e experiência de vida que cada uma acareia a esta vivência, verdadeiramente emancipadora, e rica de conhecimentos para o futuro.

Apenas temos conhecimento de duas experiências, porquanto este item ou iniciativa já não aparece no sítio da Torre do Tombo. São elas: «Os Arquivos no Diálogo intercultural»; «Registo do céu: A astronomia em documentos da torre do Tombo».

 

* Formação de professores responsáveis pelas bibliotecas escolares

 

Esta iniciativa do Serviço Educativo do Arquivo Nacional Torre do Tombo, diz-nos Maria de Lurdes Henriques, surgiu da consciencialização de que nem sempre os professores consideram os arquivos locais “a visitar ou explorar, ao contrário do que se passa com as bibliotecas, os museus, os monumentos ou outros locais de património e ainda pela necessidade de capacitar os responsáveis das bibliotecas para as potencialidades informativas disponíveis online. Sem essa capacitação é difícil explorar (...) [o] potencial informativo [contido nos arquivos] (Henriques, 2013, p- 68).

Parafraseando Maria de Lurdes Henriques, ao tirar partido das vantagens das novas tecnologias para gerir e divulgar os seus documentos, os arquivos reúnem condições estratégicas para assegurar um lugar privilegiado na formação do cidadão do futuro.

Estamos, pois, em sintonia com esta autora quando, no seu artigo que vimos seguindo, arremata: “A sobrevivência da memória está dependente da formação que formos capazes de dar aos nossos jovens. Se não lhes for transmitido o conhecimento do valor dos arquivos, se não aprendermos a respeitar o património, que é de todos, a nossa identidade cultural e memória histórica está ameaçada” (Henriques, 2013, p. 71).

Nesta ordem de ideias, quer arquivos, e de um modo especial o nosso maior arquivo histórico - a Torre do Tombo -, e os seus profissionais, quer os responsáveis pela gestão do sistema educativo têm um grande desafio pela frente - o dever de se envolverem e de se comprometerem com todas as ações que contemplem e impliquem os arquivos, entendidos como valioso património cultural, e utilizá-los como instrumentos importantes das políticas educativas, pois, só assim, é que as disposições constantes do artigo 78º da Constituição da República Portuguesa terão verdadeiro sentido e plena acuidade, quando determinam:

 

1.- Todos têm direito à fruição e criação cultural, bem como o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural.

2.- Incumbe ao Estado, em colaboração com todos os agentes culturais:

a) Incentivar e assegurar o acesso de todos os cidadãos aos meios e instrumentos de ação cultural, bem como corrigir as assimetrias existentes no país em tal domínio.

(...)

c) Promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, tornando-o elemento vivificador da identidade cultural comum.

d) Articular a política cultural e as demais políticas setoriais”.

 

Torre do Tombo - Gárgulas (96)

(Arquivo Nacional Torre do Tombo - Gárgula «O guarda das pedras/Fachada Posterior)

28
Set19

ANTT - Novos Desafios - O ANTT na «era da informação»

 

 

ARQUIVO NACIONAL TORRE DO TOMBO

 

 

 

NOVOS DESAFIOS

 

Torre do Tombo - Gárgulas (4)

(Arquivo Nacional torre do Tombo - Fachada Posterior)

 

 

 

4.3.- O Arquivo Nacional Torre do Tombo na «Era da Informação»

 

 

Miriam Halpern Pereira, antiga diretora-geral do Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo (IAN/TT), já, em 2003, dizia que “Promover o acesso é hoje o objetivo central do trabalho arquivístico” (Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, 2003, p. 1).

Da análise que fazemos ao artigo 1º, nº 1 do Decreto-Lei nº 103/2012, de 16 de maio, e ao artigo 5º da Portaria nº 192/2012, de 19 de junho, na parte que agora mais nos interessa abordar, verificamos não haver qualquer referência à imersão do Arquivo Nacional Torre do Tombo na área das TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação) e da divulgação dos seus acervos ou fundos nas redes da internet.

Sabe-se do enorme esforço que o Arquivo Nacional Torre do Tombo tem tido na digitalização do seu acervo documental; constatamos as iniciativas de colocar estes acervos ao dispor de diferentes públicos - veja-se, por exemplo, o caso do TT online e da aplicação DgitArq - bem assim de outras iniciativas que procuram por o Arquivo Nacional Torre do Tombo no avanço dos mais recentes instrumentos que a Era da Informação está exigindo à sociedade atual e suas instituições. Contudo, não vemos plasmados estes esforços e objetivo fundamental naqueles dispositivos legais, ou seja, o de disponibilizar, o mais amplamente possível, e a diferentes públicos, toda a informação contida na Torre do Tombo.

Parece haver aqui mesmo um verdadeiro antagonismo entre os dois paradigmas que referimos, numa flagrante contradição com a realidade quotidiana do trabalho naquela instituição: por um lado, os normativos apontam na prossecução e na senda da função do paradigma custodial, patrimonialista, historicista e tecnicista; por outro, encontramos trabalho denodado, quer de pesquisa, quer prático, que nos evidencia um esforço do Arquivo Nacional Torre do Tombo no partilhar e participar das exigências que o novo paradigma pós-custodial exige aos arquivos e aos profissionais que nele trabalham.

Numa bela e generosa iniciativa da sociedade civil, em 11 de fevereiro de 2004, foi criada a Associação dos Amigos da Torre do Tombo (AATT). Vejamos os objetivos presentes nos seus Estatutos, que levaram à sua constituição: a)”cooperar com o Arquivo Nacional da Torre do Tombo e apoiá-lo na promoção, realização e divulgação dos seus objetivos culturais; b) realizar um programa anual de iniciativas a levar a efeito no âmbito dos fundos documentais do Arquivo Nacional da Torre do Tombo; c) editar e apoiar a edição de trabalhos de investigação que tenham como fonte principal os fundos documentais guardados no Arquivo Nacional da Torre do Tombo; d) contribuir para o melhor conhecimento e para a valorização dos fundos do Arquivo e, e) finalmente, dar apoio e fornecer informação a investigadores que trabalhem no âmbito dos fundos documentais do Arquivo Nacional Torre do Tombo” (Associação Amigos da Torre do Tombo [AATT], s/d).

Da análise aos seus objetivos estatutários, fica bem patente, enaltecendo a meritória criação desta Associação para divulgar e promover o Arquivo Nacional Torre do Tombo, o seu pendor mais virado para o paradigma custodial, na vertente historicista.

No Roteiro que esta Associação nos apresenta no seu sítio da internet, são cerca de 40 os Fundos essenciais em que o Arquivo Nacional da Torre do Tombo está organizado, agrupado em 4 grandes áreas, a saber: 1.- Instituições do Antigo Regime - Arquivo da Casa da Coroa; Casa da Suplicação; Casa da Tábola de Setúbal; Casa Real e Casas Anexas; Chancelaria-Mor da Corte e Reino; Colégio dos Nobres; Companhias Pombalinas; Conselho da Fazenda; Conselho de Guerra; Conselho Ultramarino; Desembargo do Paço; Governo do Estado da Índia; Hospitais; Intendência Geral da Polícia; Juizos dos Órfãos; Junta da Administração do Tabaco; Junta da Saúde Pública; Junta das Confirmações Gerais; Junta do Comércio; Junta dos Três Estados; Juntas do Depósito Público; Mesa da Consciência e Ordens; Ministério do Reino; Ministério dos Negócios Estrangeiros; Provedorias; Provedoria e Junta da Real Fazenda do Funchal; Real Academia da História; Real Extracção dos Diamantes do Brasil; Real Fábrica das Sedas;Real Mesa Censória; Registo Geral de Mercês e Tribunal do Santo Ofício. 2.- Instituições Contemporâneas - Instituições Contemporâneas. 3.- Colecções - Colecções da Torre do Tombo. 4.- Arquivos Pessoais, Familiares e Empresariais - Arquivos de Associações; Arquivos de Comissões e de Congressos; Arquivos de Empresas; Arquivos de Família e Arquivos de Pessoas Singulares. (Associação Amigos da Torre do Tombo [AATT], s/d).

Destes 40 Fundos essenciais em que o Arquivo da Torre do Tombo está organizado muitos deles, segundo a antiga Direção-geral de Arquivos já se encontram digitalizados e disponíveis parcialmente no sítio da internet «TT online», nomeadamente, grande parte do Corpo Cronológico, os Diários de Oliveira Salazar, as imagens da Chancelaria de D. Afonso II, de D. Duarte e D. João II, do Tribunal do Santo Ofício, do Registo Geral das Mercês, entre muitíssimos outros.

Também estão presentes no «TT online» registos provenientes de Arquivos Distritais.

Alguns instrumentos de descrição da Sala de Referência do Arquivo Nacional Torre do Tombo foram também já digitalizados e podem ser consultados em linha.

Com a aplicação «DigitArq», que contém já descrição dos documentos, permitindo pesquisa avançada, inclusive a consulta de imagens microfilmadas de livros, temos, entre muitos outros também, os documentos da Chancelaria de D. Manuel I, Feitos Findos, Ordem de Cristo - Convento de Tomar, Armário Jesuítico e Desembargo do Paço.

Encontram-se também na «DigitArq» milhares de livros disponíveis de registos paroquiais do Distrito de Lisboa.

Apesar deste esforço imenso, é ainda uma pequena parte do acervo (Fundos) acima referenciados. O Arquivo Nacional Torre do Tombo tem ainda uma tarefa hercúlea pela frente para trazer à luz do dia todo o seu vasto e rico acervo.

Sendo desiderato dos responsáveis da Direção-geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas criar estruturas sociais e tecnológicas que sejam capazes de descrever e desmaterializar documentos tornando-os acessíveis remotamente, torna-se, assim, necessário reorganizar os espaços presenciais (Sala de Leitura) e criar uma oferta sistemática e a pedido de serviços remotos, como o balcão eletrónico, reserva de documentos, reproduções digitais ou analógicas e certificação digital.

Contudo, face ao estado da arte em que se encontram muitos dos documentos do Arquivo da Torre do Tombo, quer em termos de preservação, conservação e restauro, quer em termos de digitalização, é de salientar que estamos perante um objetivo só alcançável a longo prazo, a menos que haja um maior investimento nesta instituição, fundamentalmente de natureza financeiro para que haja mais e melhores recursos humanos qualificados e adequados instrumentos tecnológicos, capazes de porem em linha, nas redes da internet, atingindo, desta feita todos os clientes, cidadãos, para além do Governo e a Administração e os profissionais de informação.

Sabemos que o processo de digitalização de todo o acervo da Torre do Tombo, com toda a enorme quantidade de informação, quer textual, quer sonora, quer de imagem, fixa ou em movimento, pondo-os devidamente recuperáveis e pesquisáveis por motores de busca, implica uma estrutura complexa, com metadados associados ao objeto que permitirão a sua pesquisa, mais a estrutura da acessibilidade, bem como a estrutura de aquivo a longo prazo.

Mas não há como fugir a este desafio.

Embora sob tensão, cremos que o Arquivo Nacional Torre do Tombo está incorporando, institucionalmente, a necessidade de se projetar no novo paradigma, face ao desafio da Era da Informação. Com efeito, tal como diz Milena Carla de Lima Carvalho, a noção de arquivo voltado para o século XXI, não pode permanecer meramente no paradigma custodial, já passadista (Carvalho, 2014).

Mas, como podemos verificar, embora muitos passos já tenham sido dados, ainda há um caminho árduo a percorrer. E, nomeadamente os arquivistas, dentro da organização em que laboram, têm de continuar a projetar para o exterior a importância da Torre do Tombo no panorama cultural português como um verdadeiro espaço de memória dos portugueses. Como seus guardiões, os arquivistas e outro pessoal, devem assumir o seu trabalho como um elemento essencial do funcionamento do serviço e a transparência dos seus procedimentos, no sentido de permitir um acesso cada vez mais livre e democrático (Carvalho, 2014).

Parte essencial do sucesso da nova postura dos arquivos, e em especial o da Torre do Tombo, no contexto de uma sociedade globalizada, em que o papel da informação e do conhecimento são cada vez mais nucleares, cabe aos profissionais da informação, que devem concertar esforços na apropriação e desenvolvimento de aptidões e competências capazes de os posicionar como recursos estratégicos da informação, sendo mediadores entre a informação, constante do acervo arquivístico, e o usuário em concreto, alterando a perceção deste e da comunidade em que o mesmo se insere em relação ao(s) próprio(s) arquivo(s).

Este papel de mediador e de protagonista de mudança, para além do trabalho específico que cada um desenvolve, pode ser materializado, entre muitas outras iniciativas, através da difusão cultural, quer promovendo atividades dirigidas ao público em geral, como exposições, «workshops», serviços e extensão educativa, criação de boletins informativos e de divulgação cultural, ou seja, práticas pedagógicas. Esta pode ser uma das formas de alterar a imagem do serviço que se presta, bem assim disponibilizando novas formas de acesso à informação, com novos instrumentos de pesquisa, auxiliados pela TIC, criando novos públicos e estabelecendo uma maior interação entre o acervo e os utilizadores, possibilitando que estes, pela correta informação disseminada pela rede construam o seu próprio caminho de acesso à informação, em conformidade com os seus próprios interesses (Carvalho, 2015).

 

Torre do Tombo - Gárgulas (77)

(Torre do Tombo - Gárgula «O guarda das ondas hertzianas»/Fachada Principal)

 

 

Em suma, no novo cenário global, tecnológico, a Arquivologia deve estar cada vez mais centrada no usuário da informação (Lousada, 2015). Nesta perspetiva, o usuário não deve ser configurado como simples objeto no processo de transferência da informação. A preocupação com o acesso ao(s) arquivo(s) deve estar “calcada numa perspetiva efetivamente dialógica, envolvendo arquivista, arquivos e usuário” (Lousada, 2015, p. 123).

O modelo emergente que se deve instalar nos arquivos, e consequentemente no da Torre do Tombo é (deve ser) orientado para o usuário, pondo se a questão como: «como se define a sua necessidade de informação?»; como o usuário ou o arquivista se apresenta ao serviço de informação?» «Como o usuário ou arquivista usa o serviço de informação?» (Lousada, 2015).

O modelo voltado para o usuário visa entender como a informação influencia a vida do usuário para além dos espaços informacionais, sendo também capaz de compreender o contexto social e intelectual que moldam as ações das pessoas e instituições que criam e mantêm os documentos.

Na «Era da Informação» o paradigma é, assim, completamente outro: está totalmente centrado no usuário. E os arquivo(s), em especial o da Torre do Tombo, devem servir para promover o acesso à informação pelos indivíduos, encarados como cidadãos, dentro de uma sociedade verdadeiramente democrática, primando pela transparência de processos e contribuindo, com outras instituições, para o aprofundamento do conhecimento e a formação humana.

Se no fim do século XX se enfatizava, como princípio, o acesso livre à informação, agora, com soluções tecnológicas gratuitas e de desenvolvimento partilhado, propiciado pelo conhecimento coletivo das comunidades científicas, esse acesso, para além de livre, muito mais livre, deve ser generalizado, nas diferentes plataformas que, constantemente, se estão criando nas redes. Májory Fernandes de Oliveira Miranda reitera a nossa preocupação, quando afirma que “As coleções, para além de eletrónicas, devem ser partilhadas com o apoio das tecnologias de Metadados, efetivados pelos provedores de serviços e de dados dos Sistemas de Informação” (Miranda, 2009, p. 11).

Estamos com Armando Malheiro da Silva quando nos diz que “preservar a memória da Organização, para si própria e para outrem, a par de uma aposta decisiva na plenitude e eficiência máxima de acesso, [é] sinónimo claro de transparência e eficácia. Custodiar tende inevitavelmente a ser cada vez menos um fim em si mesmo. Pelo contrário, o acesso à informação, seja recente ou antiga, através de dispositivos meta-informacionais dinâmicos e actualizados, o acesso em pleno e intensivo, tende a instaurar-se como essência arquivística da Era onde já estamos” (Silva, 2007, 252).

Não devemos, por sua vez, esquecer o que a então direção do Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo dizia, quando, a propósito a propósito do tema «Reorientando a Política de Salvaguarda e Valorização do Património Arquivístico do Setor Público», chamava a atenção para o facto de que “a dimensão cultural dos arquivos está fundamentalmente ligada ao seu uso enquanto fonte de investigação histórica. Essa é uma perspetiva importante e não negligenciável, mas restritiva. Na dimensão cultural dos arquivos, testemunho das atividades do Governo e da Administração, cabe também encará-los como e promover a sua utilização enquanto meio de reforço de uma cidadania responsável e factor de desenvolvimento da democracia. Este é o sentido para o qual apontam as orientações tanto do Conselho Internacional de Arquivos como a Comissão Europeia (...)” (Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, 2005, pp 1-3).

 

Torre do Tombo - Gárgulas (133)

(Torre do Tombo - Gárgula «O guarda dos papiros»/Fachada Posterior)

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • zassu

    Obrigado pela coreção.A. souza e Silva

  • Anónimo

    Capela do Socorro (https://viladoconde.com/capela-...

  • Anónimo

    Há decénios que Chaves está em dívida com Miguel T...

  • Fer.Ribeiro

    Sem comentários!

  • Anónimo

    Indique-me o seu mail, por favor.

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D