Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zassu

06
Mai21

Versejando com imagem - Viagens na minha terra, de António Nobre

VERSEJANDO COM IMAGEM

 

VIAGENS NA MINHA TERRA

8994002_cQJs0

Às vezes, passo horas inteiras

Olhos fitos nestas braseiras,

Sonhando o tempo que lá vai;

E jornadeio em fantasia

Essas jornadas que eu fazia

Ao velho Douro, mais meu Pai.

 

Que pitoresca era a jornada!

Logo, ao subir da madrugada,

Prontos os dois para partir:

- Adeus! adeus! é curta a ausência,

Adeus! - rodava a diligência

Com campainhas a tinir!

 

E, dia e noite, aurora a aurora,

Por essa doida terra fora,

Cheia de Cor, de Luz, de Som,

Habituado à minha alcova

Em tudo eu via coisa nova,

Que bom era, meu Deus! que bom!

 

Moinhos ao vento! Eiras! Solares!

Antepassados! Rios! Luares!

Tudo isso eu guardo, aqui ficou:

ó paisagem etérea e doce,

Depois do Ventre que me trouxe

A ti devo eu tudo que soul

 

No arame oscilante do Fio,

Amavam (era o mês do cio)

Lavandiscas e tentilhões...

Águas do rio vão passando

Muito mansinhas, mas, chegando

Ao Mar, transformam-se em leões!

 

Ao Sol, fulgura o Oiro dos milhos!

Os lavradores mai-los filhos

A terra estrumam, e depois

Os bois atrelam ao arado

E ouve-se além, no descampado

Num ímpeto, aos berros: - Eh! bois!

 

E, enquanto a velha mala-posta,

A custo vai subindo a encosta

Em mira ao lar dos meus Avós,

Os aldeãos, de longe, alerta,

Olham pasmados, boca aberta...

A gente segue e deixa-os sós.

 

Que pena faz ver os que ficam!

Pobres, humildes, não implicam,

Tiram com respeito o chapéu:

Outros, passando a nosso lado,

Diziam: "Deus seja louvado!"

"Louvado seja!" dizia eu.

 

E, meiga, tombava a tardinha...

No chão, jogando a vermelhinha,

Outros vejo a discutir.

Carpiam, místicas, as fontes...

Água fria de Trás-os-Montes

Que faz sede só de se ouvir!

 

E, na subida de Novelas,

O rubro e gordo Cabanelas

Dava-me as guias para a mão:

Isso... queriam os cavalos!

Que eu não podia chicoteá-los...

Era uma dor de coração.

 

Depois, cansados da viagem,

Repoisávamos na estalagem

(Que era em Casais, mesmo ao dobrar...)

Vinha a S.ra Ana das Dores

"Que hão de querer os meus Senhores?

Há pão e carne para assar..."

 

Oh! ingênuas mesas, honradas!

Toalhas brancas, marmeladas,

Vinho virgem no copo a rir...

O cuco da sala, cantando. . .

(Mas o Cabanelas, entrando,

Vendo a hora: "É preciso partir").

 

Caía a noite. Eu ia fora,

Vendo uma estrela que lá mora,

No Firmamento português:

E ela traçava-me o meu fado

"Serás Poeta e desgraçado!"

Assim se disse, assim se fez.

 

Meu pobre Infante, em que cismavas,

Por que é que os olhos profundavas

No Céu sem-par do teu País?

Ias, talvez, moço troveiro,

A cismar num amor primeiro:

Por primeiro, logo infeliz...

 

E o carro ia aos solavancos.

Os passageiros, todos brancos,

Ressonavam nos seus gabões:

E eu ia alerta, olhando a estrada,

Que em certo sítio, na Trovoada,

Costumavam sair ladrões.

 

Ladrões! Ó sonho! Ó maravilha!

Fazer parte duma quadrilha,

Rondar, à Lua, entre pinhais!

Ser Capitão! trazer pistolas,

Mas não roubando, - dando esmolas

Dependuradas dos punhais ...

 

E a mala-posta ia indo, ia indo.

o luar, cada vez mais lindo,

Caía em lágrimas, - e, enfim,

Tão pontual, às onze e meia,

Entrava, soberba, na aldeia

Cheia de guizos, tlim, tlim, tlim!

 

Lá vejo ainda a nossa Casa

Toda de lume, cor de brasa,

Altiva, entre árvores, tão só!

Lá se abrem os portões gradeados,

Lá vêm com velas os criados,

Lá vem, sorrindo, a minha Avó.

 

E então, Jesus! quantos abraços!

- Qué dos teus olhos, dos teus braços,

Valha-me Deus! como ele vem!

E admirada, com as mãos juntas,

Toda me enchia de perguntas,

Como se eu viesse de Betlém!

 

- E os teus estudos, tens-me andado?

Tomara eu ver-te formado!

Livre de Coimbra, minha flor!

Mas vens tão magro, tão sumido...

Trazes tu no peito escondido,

E que eu não saiba, algum amor?

 

No entanto entrava no meu quarto:

Tudo tão bom, tudo tão farto!

Que leito aquele! e a água, Jesus!

E os lençóis! rico cheiro a linho!

- Vá, dorme, que vens cansadinho.

Não adormeças com a luz!

 

E eu deitava-me, mudo e triste.

(- Reza também o Terço, ouviste?)

Versos, bailando dentro em mim...

Não tinha tempo de ir na sala,

De novo: - Apaga a luz! - Que rala!

Descansa, minha Avó, que sim!

 

Ora, às ocultas, eu trazia

No seio, um livro e lia, lia,

Garrett da minha paixão...

Daí a pouco a mesma reza:

- Não vás dormir de luz acesa,

Apaga a luz! ... (E eu ainda... não!)

 

E continuava, lendo, lendo...

O dia vinha já rompendo,

De novo: - Já dormes, diz?

- Bff!... e dormia com a idéia

Naquela tia Dorotéia,

De que fala Júlio Dinis.

 

Ó Portugal da minha infância,

Não sei que é, amo-te a distância,

Amo-te mais, quando estou só...

Qual de vós não teve na Vida

Uma jornada parecida,

Ou assim, como eu, uma Avó?

 

António Nobre

Paris, 1892.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Aqui há coração

    Poesia em cada palavra.

  • Anónimo

    Depois de ler o texto e do qual gostei imenso (poi...

  • Anónimo

    Depois de ler o texto e do qual gostei imenso (poi...

  • concha

    Herberto Helder! Tão Grande

  • Anónimo

    Um lindo poema cheio de nostalgia.Gostei muito.Par...

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub