Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

zassu

27
Fev21

Palavras Soltas... Plano Estratégico da cidade de Chaves - Parte VI

PALAVRAS SOLTAS ...

 

PLANO ESTRATÉGICO DA CIDADE DE CHAVES

20200125_144939

PARTE VI

 

 

BREVE TENTATIVA DE EXPLICAÇÃO DO DILEMA DO DESENVOLVIMENTO DO CONCELHO DE CHAVES

OU A(S) RAZÃO(ÕES) PORQUE O «PROJETO DE CIDADE» DE CHAVES «FALHOU»

 

Aceitámos o desafio do Prof. Doutor ROMAN RODRÍGUEZ GONZALEZ para elaborarmos um ensaio no qual refletíssemos criticamente sobre o impacto dos dois principais instrumentos de planeamento em vigor no Concelho de Chaves – o Plano Diretor Municipal (PDM) e o Plano Estratégico da Cidade (PEC) – em termos  do seu desenvolvimento concelhio.

 

Quisemos, de alguma forma, comparar as análises entretanto feitas, agora à luz de dados atualizados e disponíveis, testando, por outro lado, a validade das Propostas/Apostas apresentadas naquela altura (1995).

 

Começámos por arquitetar uma metodologia baseada no lançamento de uma entrevista em profundidade desenvolvida em duas fases, seguida depois de um inquérito/amostragem, para confronto da informação, numa terceira fase. Os entrevistados foram todos aqueles que ocupavam funções de presidência ou de direção nos organismos públicos desconcentrados da administração central, na área do município de Chaves, técnicos da autarquia flaviense, autarcas e representantes das diferentes agremiações desportivas, culturais, sociais e de desenvolvimento económico e social, de âmbito concelhio e do Alto Tâmega e Barroso.

 

Só as entrevistas às entidades referidas para uma primeira escolha ocuparam-nos mais de um mês, em exclusividade. Grande parte delas demoraram mais de hora e meia. Foi, assim, praticamente impossível tratar toda a informação entretanto recolhida para melhor fundamentação do nosso trabalho. Ficou, cremos, o fundamental.

 

E retivemos, como pano de fundo ou matriz comum, aos entrevistados, os seguintes aspetos:

 

  • Todos têm a consciência que o mundo rural está em total perca;
  • Têm consciência que, apesar de tudo, a realidade rural é um património importante e valioso a preservar;
  • Concordam quanto à necessidade do reforço da urbanidade, particularmente na Cidade de Chave e Vila de Vidago;
  • Estão conscientes da importância fundamental dos nossos recursos naturais, e principalmente humanos, para as tarefas do processo de desenvolvimento;
  • Identificam as áreas que reputam fundamentais para que esse desenvolvimento se processe;
  • Possuem consciência também de que só todos em conjunto é que potenciarão essas mesmas tarefas que levarão a alcançar a melhor qualidade de vida das populações do Concelho, pois, cada um de per si não é capaz;
  • Subjaz a praticamente todos os entrevistados a ideia de que as coisas como estão levar-nos-ão a um maior isolamento. Contudo, divergem na forma como realizar o processo de desenvolvimento, o que, no fundo, bate na essência do mesmo:
  • Uns apresentam propostas excessivamente autocentradas na sua organização (Câmara Municipal, por exemplo);
  • Outros revelam uma certa impotência e dependência face ao poder democraticamente eleito, queixando-se do excessivo peso que os Municípios têm nas diferentes instituições (ADRAT, Região de Turismo do Alto Tâmega e Barroso, entre outras). Outros ainda dizem que são parceiros «apenas de papel» em determinados projetos liderados pela Autarquia, os quais de cooperação e de partenariado apenas usam o nome;
  • E, caso estranho, ou talvez não, todos acham que atuam de «costas voltadas uns para outros» e que urge tomar outro rumo. Recordam, a maior parte deles, o que foi a experiência positiva, no âmbito do Plano Estratégico da Cidade de Chaves, o papel do Gabinete de Cidade, quando funcionou de forma escassa e irregular, representando um processo de dinamização e de consciência acerca da problemática do desenvolvimento urbano e também concelhio. Dizem que foi aí que foram gizados, com sucesso, os dois grandes programas de renovação urbana de Chaves: o PROSIURB (Requalificação e Revitalização do Centro Histórico de Chaves) e os projetos fundamentais que agora constituem e integram o Programa Polis, quando ataca a requalificação da zona urbana ribeirinha ao Rio Tâmega.

 

Isto, por um lado, por outro, divergem quanto à forma e requisitos prévios ao processo de desenvolvimento, a saber:

 

  • Uns pensam que o mal é da vinda tardia das acessibilidades e do Pólo da UTAD em Chaves tardarem em se fazerem e se instalar efetivamente. Argumentam que com boas vias advirá iniciativa empresarial bastante, porque mais abertos ao exterior e, com o Pólo da UTAD alargado, a cidade teria mais vida e mais dinamismo;

 

  • Outros pensam que não. Referem, nomeadamente, o tão propalado Parque de Atividades que está a ser liderado pela Autarquia. Pois se em Chaves há dinheiro, porque os empresários não se metem mais a fundo no projeto, estando o mesmo a ser «cozinhado» entre a Autarquia e Associação de Empresários de Portugal, sediada no Porto. Por que a ACISAT apenas tem uma simbólica quota de 5%? E quem o vai gerir? Referem, amiúdo, que os flavienses, grandes economicamente em décadas passadas, com a sangria da emigração e com um protagonismo «excessivo» da capital de distrito Vila Real (só pela circunstância de ser capital e, por consequência, protegidos da Administração Central), perderam a confiança em si próprios e só se sabem lamentar. Insistem que é nos flavienses que deve estar a força motriz do desenvolvimento. Hoje em dia ninguém desenvolve ninguém por puro altruísmo. Os flavienses, desde que queiram, não precisam dos outros para nada.

 

Face ao exposto, por esta simples amostragem, cremos poder afirmar que Chaves, pelo que afirmam os seus mais diretos responsáveis e implicados nas questões do seu desenvolvimento, está perante um dilema. Foi exatamente por nas entrevistas detetarmos estas posições contraditórias que iniciámos o aludido trabalho procurando encontrar alguma solução ou pistas que nos ajudassem a pisar um caminho, embora incerto, é certo, mas não tão contraditório. Razão, pois, do título do trabalho «Chaves – O Dilema do Desenvolvimento Concelhio»

 

A subsequente reflexão mais alargada às questões do marketing territorial, vieram-me dar mais luz, permitindo-nos uma integração entre as duas perspetivas dissonantes: aquela que defende que a participação e envolvimento das pessoas e das entidades é o principal fator de emancipação e desenvolvimento dos territórios e, uma outra, a que defende que o desenvolvimento é feito essencialmente pela captação de meios externos conseguidos através da «venda» e promoção dos territórios ou dos seus produtos.

 

De facto, e no nosso entender, o processo de desenvolvimento de um território faz-se pela atração e fixação de riqueza (facilitada por uma boa gestão da comunicação externa e dos fatores imateriais, como a imagem e a marca), mas, também, pela gestão dos processos de comunicação e inter-relacionamento dos atores locais (de dimensões como as identidades e as vocações) numa perspetiva de conjugação e concertação de esforços para definição de um «projeto comum».

 

Cremos que as entrevistas nos revelaram que em Chaves não há verdadeiros líderes. Chaves tem personalidades, com estratégias somente pessoais nas instituições e que não vêm mais além do que o seu próprio umbigo.

 

Assim, o que nos parece faltar às instituições flavienses, por forma a adquirirem competência e competitividade territorial, é o que, na linha de BRAMANTI (1999), designamos por «inovação, aprendizagem, redes e governância» que leve ao aparecimento de uma «densidade tal das instituições» ao ponto de compreenderem que os processos de desenvolvimento,  tal como os latinos diziam, se fazem «cum grano salis», ou seja, com uma –  «l’âme du territoire» de que fala ROGER NIFLE, efetiva coesão interna e institucional, na capacidade de voltar a acreditar em nós próprios, mas simultaneamente com uma boa consciência de abertura ao exterior, pois não vivemos numa ilha isolada. Abertos, enfim, para receber e partilhar.

 

Por isso, no final de cada Aposta, que acima enunciámos e sumariamos, omitimos, melhor, deixamos em branco, o Quadro dos Projetos, Ações e Orientação de Política. Na sua listagem não houve partilha, discussão por parte dos principais atores e agentes com a equipa de governo: apenas o «dictat», ou o que pareceu mais conveniente ou oportuno ao senhor que ocupa o edifício da Praça do Município (de Camões). 

 

O GABINETE DA CIDADE, constituído apenas com os representantes institucionais da escolha pessoal do edil municipal, apenas era «convocado» quando muito bem o mesmo edil entendia, não raras vezes como forma de «exibir», no período alto da sua governação, os seus sucessos pessoais.

 

Apenas se apresenta uma proposta no Quadro da Aposta 7 «Chaves - Centro de Cultura, Participação e Animação Cívica», referentes aos Projetos, Ações e Orientação Política, porque entendemos ser o Gabinete de Planeamento e Desenvolvimento Concelhio como um pré-requisito ao processo de desenvolvimento do Concelho de Chaves. Vai ela no sentido de fazer surgir, renascer o GABINETE DE CIDADE, dando-lhe agora uma outra «filosofia», uma densidade institucional que, pela partilha de aprendizagens, estabelecimento de redes, inovação e uma nova forma de gerir e entender o território, poder-se encontrar de novo a nossa autoestima, o aprender e o reaprender a nossa própria identidade, sermos coesos e, assim, sem medos, podermo-nos abalançar, conviver e partilhar o mesmo território sem receios e com confiança.

 

Em síntese, a imagem da Cidade de Chaves não está em consonância com as necessidades, querer e desejos dos cidadãos, mas mais em consonância com as modas de momento e os projetos pessoais, muitas vezes, megalómanos, ou minimalistas, noutras; ou ainda, da «vontade» de quem se assenta na cadeira do poder municipal.

 

As instituições intermediárias, como as que vimos defendendo, desempenham um papel vital de intermediação entre os cidadãos e o poder em ordem a um efetivo desenvolvimento, qualidade de vida das populações, o mesmo qur dizer uma maior participação cidadã, criando uma autêntica e verdadeira imagem do território.

 

Mas, manifestamente, esta questão, por parte dos decisores políticos, não está a ser levada devidamente em conta!

 

E é pena…

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Aydalot, Philippe (1985), Economie Régionale e Urbaine, Paris: Economica;

Aydalot, Philippe (1986), “L’aptitude des milieux locaux à promouvir l’innovation”, em Federwisch, Jacques, e Henry Zoller (orgs.), Technologie Nouvelle et Ruptures Regionales, Paris: Economica;

Becattini, Giagomo; Rullani, Enzo (1995), “Sistema Local e Mercado Global”, Notas Económicas, 6, 6-21;

Benko, Georges; Lipietz, Allain (org.) (1994), As Regiões Ganhadoras, Oeiras: Celta Editora,

Benko, Georges (1995), “Les théories du développement local”, Problèmes économiques, nº 2440, 22 – 27;

Boyer, Robert; Saillard, Yves (1995), Theorie de la Regulation: L'État des Savoirs, Paris: La Découverte;

Bramanti, Alberto (1999), “De l'Espace au Territoire: développement relationnel et competitivité territoriale. L'aproche du GREMI dans le debat contemporain”, Revue D'Economie Regionale et Urbaine, 3, 429-448;

Camagni, Roberto; Maillat, Denis; Matteacciloi, Andrée e Perrin, Jean Claude (1999), “Le Paradigme du Milieu Inovateur dans L'Economie Spatiale Contemporaine”, Revue D'Economie Regionale et Urbaine, 3, 424-428;

Cappellin, Ricardo (1995), Regional embebbeness and international integration: the case of SME’s in North Italy, Comunicação ao III Encontro Nacional da APDR, Porto;

Câmara Municipal de Chaves (1994), “Caracterização Geral”, Plano Director Municipal, versão policopiada;

Câmara Municipal de Chaves (1994), “Geologia e Recursos Naturais”, Plano Director Municipal, versão policopiada;

Câmara Municipal de Chaves (1994), “Recursos Hídricos de Superfície”, Plano Director Municipal, versão policopiada;

Câmara Municipal de Chaves (1994), “Recursos Agro-Pecuários e Florestais”, Plano Director Municipal, versão policopiada;

Câmara Municipal de Chaves (1994), “Património Natural e Cultural/Potencialidades Turísticas”, Plano Director Municipal, versão policopiada;

Câmara Municipal de Chaves (1994), “Rede Escolar”, Plano Director Municipal, versão policopiada;

Câmara Municipal de Chaves (1994), “Equipamentos e Serviços de Saúde”, Plano Director Municipal, versão policopiada;

Câmara Municipal de Chaves (1995), Plano Êstratégico da Cidade de Chaves, versão policopiada;

Comissão de Coordenação da Região Norte (CCRN) (1998), Diagnóstico prospectivo da Região Centro: contribuição para o PNDES/ Comissão de Coordenação da Região Centro, (Documento de Trabalho), Coimbra;

Cerqueira, Carlos E. D. (2001), As Parcerias no Desenvolvimento Local: o papel dos agentes de mediação numa abordagem territorial do desenvolvimento. Disponível [on line]: <http:\\www.carloscerqueira.com/index cv.htm [12 de Março de 2002];

Comissão de Coordenação da Região Norte (CCRN) (1999), Região Norte – Fichas Concelhias 1999 – Indicadores de base para o desenvolvimento e ordenamento do território, Porto: CCRN.

Comissão Europeia (1999), Guia dos Pactos Territoriais para o Emprego 2000- 2006, documento dos serviços da Comissão, SEC(99) 1933. Disponível [online]: <http://www.inforegio.cec.eu.int/pacts/DOWN/pdf/pactfin_pt.pdf> [7 de Outubro de 2000];

Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular (1999), Guia de Recursos Culturais, Vigo: Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular;

Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular (2000), Plano de Infraestruturas do Eixo Atlântico, (Direcção de Xulio Pardellas de Blás), Vigo: Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular;

Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular (2001), Planeamento Estratéxico e Mercadotecnia Territorial (Direcção de Xosé Manuel Souto González), Vigo: Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular;

Ferrão, João (1992), Serviços e Inovação: Novos Caminhos para o Desenvolvimento Regional, Celta, Oeiras;

Florida, Richard (2000), The Learning Economy in Zoltan, J. Acs (org.) Regional Inovation, Knowledge and Global Change, Londres: Pinter;

González, Román R. (1998), “La escala local del desarrollo. Definición y aspectos teóricos”, RdE – Revista de Desenvolvimento Econômico,I,1: pp. 5-15;

González, Román R.; Lois, Ruben (1999), “Luces y sombras del desarrollo rural en Galicia”, Poligonos, Revista de Geogragia – Universidad de Leon: pp. 129-149;

González, Román R. et al. (1999), A despoboación en Galicia: Preocupación ou lóxica territorial, Santiago de Compostela: Secretaría Xeral de I&D da Xunta de Galicia;

González, Román R. (1999), De aldeas a cidades – Urbanismo e Xeografia das vilas galegas, Vigo: Ir Indo;

González, Román R. (1999), “Normativa Urbanística e de ordenación do territorio en Galicia”Cadernos de Geografia nº 18, 1999, Coimbra: FLUC, pp 185-195;

González, Román R. (2000), “Similitudes y diferencias de los programas de Desarrollo Local en Europa y América Latina. Es posible establecer comparaciones?” Interções, Vol. 1, pp7-12;

González, Román R. (?), La aplicación de los programas europeos de desarrollo rural: dificultades y controversias, Santiago de Compostela: versão policopiada;

González, Román R. (?), “Estrategias de desarrollo comercial en la ciudad hístorica de Santiago de Compostela”,Comércio Cidade e Qualidade de Vida, pp. 97-110;

González, Román R. (?), Turismo en espacio rural: unha actividade de efectos múltiples, Santiago de Compostela: versão policopiada;

González, Román R. ; García, Bernardo V. (?),  “Inserción de la ley de ordenación y promoción del turismo en la política territorial de Galicia” Actas Turismo y Ciudad, Las Palmas de Gran Canarias: Guillermo Morales Matos;

Garofoli, Gioacchino (1992), Endogenous Development and Southern Europe: an Introdutction, in Garofoli, Gioacchino (org.), Endogenous Development and Southern Europe, Aldershot, Avebury, 1-16;

IGE – Instituto Galego de Estatística. Sociedade para o Desenvolvimento comarcal de Galicia e Instituto Nacional de Estatística. Direcção Regional do Norte (1997), Atlas de Empresas Galicia-Norte de Portugal=Atlas de Empresas Galiza-Norte de Portugal (1994), Santiago de Compostela: IGE;

Instituto Nacional de Estatística (INE)  (1998), Censos 2001 – Inventário Municipal – Equipamentos, Serviços e Produtos , Porto: INE;

Instituto Nacional de Estatística (INE)  (2000), Estudo sobre o Poder de Compra Concelhio , Núcleo de Estudos Regionais da Direcção Regional do Centro, Número IV, Coimbra: INE;

Instituto Nacional de Estatística (INE)  (2001), Censos 2001 – XIV Recenseamento Geral da População/IV Recenseamento Geral da Habitação – Resultados Preliminares Norte, Lisboa: INE;

Instituto Nacional de Estatística (INE)  (2001), Censos 2001 – XIV Recenseamento Geral da População/IV Recenseamento Geral da Habitação – Resultados Preliminares Norte, Lisboa: INE;

Instituto Nacional de Estatística (INE); Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano (DGOTDU)  (1999), Indicadores Urbanos do Continente, Série Estudos nº 80, Lisboa: INE;

Johnson, Bjorn; Lundvall, Bengt-Ake (2000), Promoting Inovation Systems as Response to the Globalising Learning Economy. Disponível [online]:

<http://www.business.auc.dk/druid/summer2000/papergal.htm> [16 de Setembro de 2000];

Lois, Rujben; González, Román (1997), “La estrategia de promoción urbana de Santiago de Compostela”, El Planeamento urbano y estratégico/II Jornadas de Estudio y Debate Urbanos – Universidade de Leon, pp. 145-160;

Lopes, Raúl G. (1990), Planeamento Municipal e Intervenção Autárquica no Desenvolvimento Local, Lisboa: Escher Publicações;

Lopes, Raúl G. (2001), Competitividade, Inovação e Territórios, Oeiras: Celta;

Lopes, Simões A. (1995), Desenvolvimento Regional: Problemática, Teoria, Modelos, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian;

Lundvall, Bengt-Ake (1992), “User-producer relationships, national systems of innovation and internationalisation”, em B.-A. Lundvall (org), National System of Inovation, Londres: Pinter Publishers;

Lundvall, Bengt-Ake (1996), The Social Dimension of the Learnig Economy, DRUID Working Paper nº 96-1. Disponível [online]: <http://www.business.auc.dk/druid/wp/wp1996.html> [1 de Julho de 2000];

Maillat, Denis (1995), “Territorial dynamic, innovatice milieus and regional policy”, Entrepreneurship & Regional Development, 7 (1995), pp. 157-165;

Maillat, Denis; Kébir, Leila (1999), “Learnig Region e Sistemes Territoriaux de Production”, Revue D'Economie Regionale et Urbaine, 3, 429-448;

Marshall, Alfred (1961), Principles of Economics, Londres: Macmillan;

Melo, Francisco A. C. de (1994), Contributo para a caracterização demográfica do Concelho de Chaves, Chaves: versão policopiada;

Peyrache-Gadeau, Véronique (1999), La Contribution de Phillipe Aydalot a l'Edification da la Théorie des Milieux Innovateurs, Revue D'Economie Regionale et Urbaine, 3, 617-632;

Pecqueur, Bernard (1995), “Sur les determinants territoriaux  de la competitivite des enterprises”, Comunicação ao III Encontro Nacional da APDR, Porto;

Piore, Michael; Sabel, Charles (1984), The Second Industrial Divide: Possibility and Prosperity. Nova Iorque: Basic Books;

Planque, Bernard (1984), “Technologies Nouvelles et Reorganisation” Spatiale in Aydalot, Philippe (org.), Crise et espace, Paris: Economica, 100-104;

Programa Polis/Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território (MAOT) (2002), Viver Chaves – Programa Polis – Plano Estratégico, Lisboa: MAOT;

Reis, José (1989) “A Recolha de Informação Não Estatística em Economia” in Silva, Augusto Santos; Pinto, José Madureira (orgs.) Metodologia das Ciências Sociais, Porto: Edições Afrontamento;

Reis, José (1992), Os espaços da Indústria – A regulação económica e o desenvolvimento Local em Portugal, Porto: Edições Afrontamento;

Reis, José (1998), “Uma Nova Política Pública: O Desenvolvimento Local”,  in A REDE, Edição Especial - dez anos de desenvolvimento local em Portugal, Novembro. Disponível [online]: <http://www.in - loco.pt /loco /publica/ publica.htm> [8 de Outubro de 1999];

Reis, José (1999), “O Rural e o Urbano: as Novas Soluções Institucionais e o Problema das Densidades dos Meios” in Carminda Cavaco (org.), O desenvolvimento Rural: Desafio e Utopia, Lisboa: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa;

Rodrigues, Maria João (1994), Competitividade e Recursos Humanos: Dilemas de Portugal na Construção Europeia, 2ª edição, Lisboa: D. Quixote;

Silva, M. Rui (1992), “Development and Local Productive Spaces: Study on the Ave Valley (Portugal)”, in Garofoli, Gioacchino (org.), Endogenous Development and Southern Europe, Aldershot, Avebury, 117-130;

Storper, Michael (1995), “The resurgence of regional economies, ten years later: the region as a nexux of untraded interdependencies”, EURS, European Urban and Regional Studies, II, (3), pp. 191-221;

Storper, Michael (1997), The Regional World, Nova Iorque, The Guilford Press Territorial Approaches Thematic Focus Group (2000), Background. Disponível  [online]:   <http://www.buildingterritories.org/english/pages/eMenu2.html> [27 de Outubro de 2000];

Vásquez Barquero, Antonio (1995), “A evolução recente da política regional: a experiência  europeia”, Notas Económicas, 6 (Dezembro de 1995), pp 24-39;

Vásquez Barquero, Antonio (1999), Desarrollo, Redes e Innovación, Madrid: Ediciones Pirámide;

Veltz, Pierre (1993), “D’une géographie des coûts à une géographie de l’organization. Quelques thèses sur l’évolution des rapports entreprises/territoires”, Revue Economique, ILIV (4), pp. 671-684);

Veltz, Pierre (1993a), “Centres-péripheries: un schéma dépassé?”, Comunicação ao Congresso La Peripherie Europeene Devant le Nouveau Siecle, Santiago de Compostela;

Veltz, Pierre (1995), Des Territoires pour Aprprendre et Innover, Paris: Editions de l’Aube.

2019.- Chaves e Vila Nova (Lua) (8)

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Jorge

    Olá, por acaso tem a análise deste poema?

  • Jorge

    Olá, por acaso tem a análise deste poema?

  • Aqui há coração

    Poesia em cada palavra.

  • Anónimo

    Depois de ler o texto e do qual gostei imenso (poi...

  • Anónimo

    Depois de ler o texto e do qual gostei imenso (poi...

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub