Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

zassu

30
Mai15

Grande Guerra (1914-1918) - 38

 

 

 

A GRANDE GUERRA (1914-1918)

E A PARTICIPAÇÃO DOS MILITARES DO RI 19 E DO ALTO TÂMEGA NO CONFLITO

 

PRIMEIRA PARTE

CONTEXTO INTERNACIONAL

(DA PLACIDEZ TECTÓNICA AO MOVIMENTO DAS PLACAS) 

 

V

AS FRENTES DE COMBATE

(OU AS GRANDES ONDAS DE CHOQUE)

 

 

3.4.- Alemanha - do espetro da derrota à rejeição das condições de paz

 

As notícias vindas da frente puseram os meios políticos alemães em polvorosa. Os partidos conservadores acusavam os socialistas e progressistas pela derrota; a esquerda rejeitava as acusações e endossava-as à direita. No meio desta instabilidade, a capitulação da Bulgária, a 29 de setembro, foi um fator decisivo a favor de se encontrar uma solução política para a guerra. O governo alemão encarou a crise de frente: a declaração de Catorze Pontos, que, a 8 de janeiro de 1918, o presidente W. Wilson apresentara ao Congresso dos Estados Unidos, prevendo a paz honrosa para todas as partes, foi, então, considerada como uma plataforma aceitável para um diálogo com as Potências Aliadas. Foi ponderada a situação internamente e a conclusão a que se chegou foi a de que só uma democratização interna dava garantias aos Aliados da confiança de um compromisso. Guilherme II demite então o chanceler Von Hertling e substitui-o pelo moderado príncipe Max de Baden, um assumido opositor de Ludendorff. Max de Baden obtém de Hindenburg uma declaração escrita na qual constasse, inequivocamente, que o alto comando alemão (OHL) considerava não haver hipóteses de forçar o inimigo a aceitar uma paz nos termos até aí desejados pela Alemanha. O objetivo de Max de Baden era acautelar-se de possíveis acusações de derrotismo ou traição, tão comuns nas circunstâncias que se viviam. A 4 de outubro, Max de Baden propõe ao presidente Wilson um armistício imediato, baseado na sua proposta de janeiro.

Os Aliados recusaram-se a negociar com uma ditadura militar. Reunidos para acertar as condições do inevitável armistício. A Grã-Bretanha e a França aceitam os Catorze Pontos de Wilson, mas reservam-se no direito de exigir indemnizações aos governos dos impérios centrais.

Ludendorff, detetando que a situação de desorientação em setembro estava agora sob controlo, mudou de opinião no que toca ao armistício. A 24 de outubro mandou distribuir às unidades do exército uma mensagem contendo uma declaração de rejeição das condições de paz do presidente Wilson: tais condições representavam, dizia, uma rendição incondicional. Ludendorff, com esta atitude, desafiava ostensivamente a política que o governo alemão procurava implementar. Arrependido, obstou o envio daquela declaração. Mas uma cópia foi cair às mãos de um partido político. Encostado à parede, o kaiser Guilherme II teve de optar entre Ludendorff e Max de Baden. Optou por Max de Baden. A 26 de outubro, Ludendorff pede ao kaiser a sua demissão, que foi imediatamente aceite. E, assim, se desfez a dupla Hindenburg-Ludendorff. Mas Hindenburg continuou no cargo de chefe do Estado-Maior Imperial.

Enquanto esta «trapalhada» política se encenava, nos campos de batalha ainda se lutava. A ofensiva Aliada, iniciada a 26 de setembro, continuou a bom ritmo durante o mês de outubro, ao longo de toda a frente. Os soldados do rei Alberto I acompanhavam o avanço Aliado. E estes avanços eram importantes, pois, sabia-se, que iriam ser determinantes e ter um peso negocial decisivo para cada país na conferência de paz que se seguiria ao Armistício.

Mapa 13.jpg

Foch e o governo francês desejavam que coubesse às tropas francesas o maior protagonismo na arrancada final. Mas foi na ala esquerda Aliada, da FEB, que este papel foi mais preponderante.

No final de outubro, aumentando o desânimo dos alemães, chegou a notícia da capitulação da Turquia. Berlim, em termos negociais, ficou mais fragilizada. A Áustria assinou um acordo de cessar-fogo com os italianos. E, assim, a Alemanha ficou como a única potência em guerra com os Aliados!

No final do filme «OH! Que Delícia de Guerra», há uma cena genial: as cruzes de um cemitério de guerra, ocupando todo o ecrã, são lentamente enroladas em fita vermelha. Foi o que aconteceu. Os políticos e altas patentes debatiam solenemente as minúcias e particularidades do armistício durante mais de um mês, enquanto os homens-soldados continuavam a combater e a morrer - às dezenas de milhar! (Stone).

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Lara Morais

    Em que livro posso encontrar este poema?

  • Jorge

    Olá, por acaso tem a análise deste poema?

  • Jorge

    Olá, por acaso tem a análise deste poema?

  • Aqui há coração

    Poesia em cada palavra.

  • Anónimo

    Depois de ler o texto e do qual gostei imenso (poi...

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub