Sexta-feira, 2 de Maio de 2014

Criação do Grupo «Militares de Chaves na Grande Guerra 1914-1918

 

 

MILITARES DE CHAVES NA GRANDE GUERRA 1914-1918

 

 

Comemora-se este ano 100 anos da Grande Guerra na qual Portugal teve uma participação ativa.

 

Quando se fala da Grande Guerra aos portugueses, apenas, ou quase sempre, um único acontecimento lhes ocorre ou vem à memória - La Lys.

 

Há quem compare a Batalha de La Lys a um segundo Alcácer-Quibir.

 

Não partilhamos dessa visão tão catastrófica da nossa história e do nosso desempenho militar, evidenciando, porventura, um nítido desprestígio das tropas portuguesas que tomaram parte do conflito e que integraram a frente de guerra, em especial na Flandres.

 

Foi gente do mais puro e genuíno que o povo português tinha e que, perante as adversidades da convocatória, das deficiências da sua preparação para este tipo de guerra, da pobreza de recursos em material, dos conflitos internos, com quezílias e instabilidade política, e da enorme máquina destruidora que a nova produção industrial militar dos países imperialistas produziram para matanças em série, em condições de terreno adversas e clima difícil, se bateram «bravamente».

 

É dessa gente, desses bravos soldados que aqui queremos que se fale.

 

Infelizmente, a história oficial apenas nos apresenta meia dúzia desses «heróis». Tudo o resto é apelidado de Soldado Desconhecido.

 

Também não admira. Num país que à altura tinha 75% da sua população analfabeta, quem se lembraria de falar dos atos de coragem e bravura do soldado ... «desconhecido»!

 

Se alguma informação dessa gente «brava» e desconhecida nos chega, é (ou foi), na maioria dos casos, pelos relatos ou história dos «Aliados» que conviveram e viram como a gente pura e brava lusitana combatia a seu lado naquelas condições tão adversas e precárias.

 

Há que «desenterrar» o Soldado Desconhecido que tomou parte no conflito e chamá-lo pelo seu verdadeiro nome. Pelo seu nome próprio.

 

Sabemos que o Arquivo Histórico do Exército está fazendo um trabalho exaustivo em relação a todos os militares que integraram o Corpo Expedicionário Português (CEP) que foi para a frente da guerra europeia, de 1916 a 1918, na Flandres, através da digitalização do Boletim Individual de cada militar, dando-o a conhecer ao grande público online, no sítio da internet http://arqhist.exercito.pt/ (pesquisa no Digitarq e no Memorial). Está, contudo, muito longe de estar completo!...

 

Quanto às tropas dos dois quarteis de Chaves de altura - Regimento de Infantaria 19 (RI 19) e Regimento de Cavalaria 6 (RC6), mais tarde daqui transferido, sabemos:

  • Em Janeiro de 1915, partiu uma força (um batalhão?) para Moçâmedes, sul de Angola;
  • Em 21 de Maio de 1917, pelas 24 horas, partiu a pé de Chaves para tomar comboio em Vidago com destino a Lisboa e, depois de navio, para Brest, um batalhão. Este batalhão tinha regressado da campanha de África no ano anterior e constituiu o 2º Depósito de Infantaria do CEP, ou seja, batalhão de reserva, para suprir a faltas de elementos que viessem a ocorrer (doença, morte, impedimento ou outros motivos) nas unidades que foram autonomamente mobilizadas de outros Regimentos, considerando-se, assim, estes militares «em diligência» naquelas referidas unidades;
  • a 29 de Agosto de 1917, dá-se uma 2ª mobilização das tropas do RI 19, de Chaves, provavelmente apenas dois pelotões, que, via Mirandela e Bragança, se dirige de Lisboa para Brest em navio;
  • Em 1918, dá-se uma 4ª mobilização do RI 19 para o norte de Moçambique.

Quanto aos militares do RC6 nada sabemos em concreto, a não ser que também houve gente mobilizada para as três frentes de batalha.

 

O que se pretende com a criação deste Grupo «Militares de Chaves na Grande Guerra 1914-1918» é saber:

Quem foram os militares de Chaves (do seu RI 19 e RC 6, entretanto transferido) que partiram para as três frentes de combate, em especial na da Europa/Flandres?

 

São quatro as razões essenciais deste nosso intento:

  • 1.- Tirar do anonimato, da designação de Soldado Desconhecido, o militar flaviense, sabendo o seu nome próprio;
  • 2.- Em seguida, saber a localidade donde era natural;
  • 3.- Depois, a unidade em que se integrou na frente de combate;
  • 4.- Finalmente, saber se sobreviveu; ficou ferido; ou prisioneiro (onde?) ou morreu.

Com estes dados (documentos, relatos, testemunhos, informações ou fotos) pretendemos contribuir para aclarar melhor a história, dando o devido realce aos «bravos» flavienses que, «em diligência» noutras unidades da frente de batalha, em particular nas trincheiras da Flandres, honraram a(s) sua(s) unidade(s) de origem (RI 19 e RC 6),

  • Chamando-os pelo seu nome próprio;
  • Trazendo aqui a «memória» daquilo que por lá passaram (obviamente na 3ª pessoa, pois praticamente todos já não fazem parte do mundo dos vivos. Mas deixaram «memórias» que outros, particularmente seus familiares, podem (e devem) contar, honrando a sua Memória;
  • Desmistificando, porventura, alguns factos;
  • Contribuindo, em suma, pela reconstituição desta Memória, que se pretende que seja viva e, tanto quanto possível, para melhor aprimorar a História e realçar, repito, com o nome próprio, o papel dos valentes e bravos flavienses - hoje ainda a grande maioria com a designação de Soldado Desconhecido - fazendo-se, desta feita, jus à grande tradição de lutadores e defensores da Pátria, que Chaves e as suas gentes tem no contexto da História Nacional.

 

A palavra, ou melhor, «o testemunho» é agora seu, caro (a) amigo (a) leitor (a).

 

Nota de fim de página - Não foi por acaso que se escolheu a foto da página do Grupo. Trata-se do desfile da Vitória, em Paris. Comandam as forças portuguesas em parada dois «ilustres» flavienses.

 

António de Souza e Silva

Administrador do Grupo «Militares de Chaves na Grande Guerra 1914-1918»


publicado por zassu às 15:55
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Poesia e Arte 79

. Poesia e Fotografia 620

. Poesia e Fotografia 619

. Poesia e Arte 78

. Poesia e Fotografia 618

. Poesia e Fotografia 617

. Poesia e Arte 77

. Poesia e Arte 76

. Poesia e Fotografia 616

. Poesia e Fotografia 615

.arquivos

. Maio 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

.tags

. todas as tags

.A espreitar

online

.StatCounter


View My Stats

.subscrever feeds