Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zassu

15
Dez16

Poesia e Fotografia 358

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

RONDA


Parece a teimosia
De uma criança:
Do outro lado... Do outro lado... Do outro lado...
E larga as rédeas à imaginação,
Num galope furtivo e aventureiro.
Do outro lado há a outra inquietação...
Do outro lado nasce o sol primeiro...


Ah, sempre insatisfeita,
Contrafeita
Natureza humana!
Ah, tentação raiana
Do pensamento!
Passar, passar, de todas as maneiras!
Mas passar, sem licença, passa o vento,
Que não tem pátria, nem fronteiras.


Vilarinho da Raia, 21 de Setembro de 1961

Vilarinho da Raia+Marcos de Fronteira.jpg

14
Dez16

Poesia e Fotografia 357

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

REPOUSO


Paz das alturas, evasão furtiva
Da inquietação rasteira.
Aprazível clareira
Na floresta do tempo penitente.
Branca serenidade passageira
Onde tudo é sereno eternamente.


Um pequeno descanso refratário
De ser homem.
Pousei o meu carrego.
A cavalo na terra, olho-a de cima,
Fugido à força de atração que anima
O seu desassossego.


Gerês, 14 de Agosto de 1961

2009 -  Geira Romana 163.jpg

13
Dez16

Poesia e Fotografia 356

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

TORPOR


Voga,
À tona do mar,
A tarde calma.
Sem alma,
Um corpo
Alonga-se na areia...
O sol, cadente, enleia
A luz cansada
À placidez das ondas...
Musa, se eu te chamar,
Deixa o som perpassar,
Não me respondas!


Miramar, 28 de Julho de 1961

DSCF0962.jpg

10
Dez16

Poesia e Fotografia 355

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

ÉCLOGA


Acaricio a relva
Dos teus cabelos...
É o bucolismo
Que me apetece:
Pousar a mão
Numa loira cabeça de criança,
E fruir esta terna sensação
De bem-aventurança.


Paz sem remorsos, num vergel humano.
A verdura
E a frescura
Da inocência
Colhidas como os frutos, por um gesto.
E adiados, mudos de ternura,
Os versos de amargura
E de protesto.


Coimbra, 2 de Maio de 1961

 

FB_IMG_1442426910262.jpg 

09
Dez16

Poesia e Fotografia 354

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

COMUNICADO


Na frente ocidental nada de novo.
O povo continua a resistir
Sem ninguém que lhe valha,
Geme e trabalha.
Até cair.


Coimbra, 18 de Abril de 1961

ce11_0.jpg

 (Catarina Eufémia)

06
Dez16

Poesia e Fotografia 353

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

CONVITE


Vamos, ressuscitados, colher flores!
Flores de giesta e tojo, oiro sem preço...
Vamos aquele cabeço
Engrinaldar a esperança!
Temos a primavera na lembrança;
Temos calor no corpo entorpecido;
Vamos! Depressa!
A vida recomeça!
A seiva acorda, nada está perdido!


São Martinho de Anta, 2 de Abril de 1961

DSC_1685.jpg

05
Dez16

Poesia e Fotografia 352

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

PÂNICO


Olho, aterrado, a grande mesa posta.
Quem presumiu em mim fome tamanha?
Todo o maná sagrado da montanha
Servido lautamente
A um só conviva!
À luz do sol poente,
Numa quase agressiva
Pressa de comunhão, as penedias
São raras iguarias
Dum banquete irreal
De que sou comensal
Apenas eu...
Como se um pigmeu
Pudesse devorar num breve instante
A refeição eterna dum gigante!


S. Martinho de Anta, 25 de Março de 1961

AZS_0363.jpg

03
Dez16

Poesia e Fotografia 351

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

BORRALHO


Vou aquecendo os sonhos à lareira,
Sem reparar nas cinzas do brasido.
Ou olho-as distraído,
Na baça inconsciência
De que são a verónica da morte.
Sentado na cadeira habitual,
Diligência irreal
Que atravessa, morosa, a noite fria,
De mim próprio alheado,
Dou concreto calor à fantasia
Como se o lume fosse imaginado.


São Martinho de Anta, 30 de Dezembro de 1960

100_2082.jpg

02
Dez16

Poesia e Fotografia 350

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA
 
POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

SERÃO


Frios versos de inverno...
Que Musa me regala o coração?
Ah, quem me dera aquela
Ida e primaveril inspiração!


Triste e mortiça,
A minha voz fumega
Como lenha molhada. A fogueira não pega...
Arde assim, apagada.


S. Martinho de Anta, 21 de Dezembro de 1960

 

 sem nome.png

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Aqui há coração

    Poesia em cada palavra.

  • Anónimo

    Depois de ler o texto e do qual gostei imenso (poi...

  • Anónimo

    Depois de ler o texto e do qual gostei imenso (poi...

  • concha

    Herberto Helder! Tão Grande

  • Anónimo

    Um lindo poema cheio de nostalgia.Gostei muito.Par...

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub