Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zassu

31
Ago15

Poesia e Fotografia 151

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

RETRATO

 

Quando o trabalho acabou,
A tarde tornou-se alegre
E durou pouco.
Contra o próprio desalento,
O sol vestiu-se de novo
E doirou por um momento
O suor frio do povo.

 

Bandos de patos, ao longe,
Livres, passaram em seta.
E foi então que o Poeta,
Maluco, mas inspirado,
Descobriu que a sua imagem
Era o fulgor da paisagem
Num momento descansado.

 

Coimbra, 12 de Novembro de 1947

FB_IMG_1440853888035.jpg

30
Ago15

Poesia e Fotografia 150

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

ENIGMA

 

Que lei rege o poeta, ninguém sabe;
Que arcanjo o vela, também não.
Um poeta não cabe
Na sina que se lê na sua mão.

 

Coimbra, 14 de Outubro de 1947

sem nome.png

 

29
Ago15

Poesia e Fotografia 149

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

PARTO

 

A tarde cai repousada
Como rainha parida.
Varejada,
Vindimada,
Já cumpriu a sua vida.

 

No travesseiro de folhas
Há manchas tintas de mosto.
E o povo canta de gosto,
Por ter o pão que merece.
Mas nada perturba o rosto
Da rainha,
Que adormece
Magnífica e sozinha.

 

S. Martinho de Anta, 11 de Outubro de 1947

11921651_1620487428207748_1058411586759792759_n.jp

28
Ago15

Poesia e Fotografia 148

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

ALQUIMIA

 

Arrefece.
A fogueira do sol vai-se apagando
Na casca das maçãs que amadurece.

 

Não havendo uma Eva
Que no inverno, depois, venha tentar
O homem,
O sol e a vida podem-se encontrar
Nas maçãs que se comem.

 

S. Martinho de Anta, 21 de Setembro de 1947

11949456_1601065296826380_4688159338775012599_n.jp

 

27
Ago15

Poesia e Fotografia 147

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

ÀS NINFAS, POR UM VOTO

 

Por vós, virgens eternas,
Bebo
Água das fontes.
Ajoelho
No altar das nascentes,
E beijo-vos no espelho
Onde sois impossíveis e presentes.

Porque a sede que tenho
É de deusas despidas.
É de formas divinas, diluídas
No desejo terreno
De um homem de paixões descomedidas
Num corpo miserável e pequeno.

 

Caldelas, 23 de Agosto de 1947

FB_IMG_1437681708618.jpg

 

26
Ago15

Poesia e Fotografia 146

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

TESTAMENTO

 

Meu testamento de Poeta, quero
Que fique na pureza destas ilhas,
Gravado pelas ondas sem sossego.
Para que o leia o sol,
E o vento,
E quem goste da Vida em movimento,
- Só escrito
Nestas folhas de espuma e de granito.

Em versos com medida das marés.
Rodeada de cor e solidão,
Talvez tenha beleza a doação,
E sentido...
Talvez que finalmente eu seja ouvido,
E cada herdeiro queira o seu quinhão.

(A riqueza que tenho,
Só em fraga despida
E com velas à vista
A posso dar a alguém...
Sou artista
Por humana conquista
E por me ter parido minha mãe.)

Mas se ninguém quiser o meu legado,
Nestes penedos, recusado,
Terás asas em cima...
Asas abertas sobre cada rima
De silêncio salgado.

Aqui portanto, fique.
Como um ovo num ninho de saudade.
E que ninguém o modifique.
Só este texto indique
A minha última vontade.

*

Deixo...
(Os poetas, coitados,
Têm quintais de papéis desarrumados
E barras de oiro... quando a tarde cai...)
Deixo...
Mas a herança aqui vai.

*

Nenhum de nós desista, se é verdade!
Ligado às próprias achas da fogueira,
Mantenha-se por toda a eternidade
Senhor da sua inteira liberdade
De dizer o que queira.

Tenha amor aos sentidos
E a toda a criadora excitação.
Pouse na terra os olhos comovidos,
Como remos nos flancos coloridos
Da vaga onde navega a embarcação.

Leal e simples, saiba desvendar


Mistérios que é preciso descobrir:
O gesto natural de semear,
E a fome de colher e mastigar
O fruto que do gesto há-de sair.

Nada queira distante da razão,
Por saber que estiola o que não tem
Sol a jorros a dar-lhe a projeção
Na rasa lei do chão
Donde a raiz lhe vem.

Veja passar o vento
Carregado de sonhos e poeira...
Veja-o passar, atento
À beleza do próprio movimento...
Entenda num segundo a vida inteira!

E siga como alegre quiromante
Que mesmo no ludíbrio se procura.
Romeu viúvo que perdeu a amante
E lhe fica constante,
Até que a vai amar na sepultura.

*

E agora assino e selo o testamento.
Leve-me o barco, e fique o barlavento
Esta bruma de mim.
E que o farol, à noite, quando alguém vier,
Ilumine o que eu digo, e o deixe ler
Até ao fim.

 

Berlengas, 6 de Julho de 1947

FB_IMG_1438904192187.jpg

25
Ago15

Poesia e Fotografia 145

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

BUCÓLICA

 

A tarde, doce como um fruto, cai,
De madura, no chão.
Venha alguém apanhar
A Vida!
Ou já não há quem saiba desejar
A maçã proibida?

 

Coimbra, 1 de Junho de 1947

FB_IMG_1439061244503.jpg

23
Ago15

Poesia e Arte 09

 

 

POESIA E ARTE

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

POEMA

 

Foi um poema casto que eu pedi
à minha musa.
Um poema com bibes e meninas,
e ternura no meio.
Mas quando a imagem veio,
a menina mais velha namorava,
e as outras, ao lado, aprendiam
a institiva lição...
- Minha Musa, o poema?
- Este é o mesmo poema,
numa outra versão.

 

Coimbra, 12 de Maio de 1947

FB_IMG_1438813773783.jpg

22
Ago15

Poesia e Fotografia 143

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

IN PULVEREM REVERTERIS

 

Quatro gaivotas sobre a maré cheia:
Oito asas abertas.
Mágica, a sombra corre pela areia,
A roçar penas já no céu libertas.

Duas asas no chão da maré vasa:
Um sonho que andou alto e que desceu.
Uma brancura que apodrece em casa,
Fiel à condição em que nasceu.

 

Nazaré, 21 de Abril de 1947

2015 - Nazaré -  Nikon (130).jpg

21
Ago15

Poesia e Fotografia 142

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

 

LITANIA

 

S. Salvador do Mundo... de granito:
Que salvaste, afinal?
Ossos e ossos deste velho mito
Que, sem terra, se chama Portugal.

Nós nas giestas pedem-te, devotos,
Carne de alcova, húmus de semente.
E são fragas que dás, beijos remotos
Num corpo que no céu há-de ser quente.
S. Salvador do Mundo... português:
Temos rezado tanto,
E dás-nos este monte, esta aridez
Feita pela erosão do nosso pranto!

 

S. Salvador do Mundo, Pesqueira, 8 de Abril de 1947

2015 - Pescaria na Ferradosa (203).jpg

Pág. 1/2

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • zassu

    Obrigado pela coreção.A. souza e Silva

  • Anónimo

    Capela do Socorro (https://viladoconde.com/capela-...

  • Anónimo

    Há decénios que Chaves está em dívida com Miguel T...

  • Fer.Ribeiro

    Sem comentários!

  • Anónimo

    Indique-me o seu mail, por favor.

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D