Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zassu

31
Mar15

Poesia e Fotografia 47

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

RECORDAÇÃO

 

Nestes dias assim,

Doentes e cansados,

Gosto de passear contigo no jardim

Daqueles dois namorados...

 

Vejo outra vez a vida

Debruçada na fonte

A sentir-se florida

E a pedir horizonte...

 

Coimbra, 27 de Julho de 1942

01803_HD.jpg 

30
Mar15

Poesia e Fotografia 46

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

VENDAVAL

 

Meu coração quebrou.

Era um cedro perfeito;

Mas o vento da vida levantou,

E aquele prumo do céu caiu direito.

 

Nos bons tempos felizes

Em que ele batia, erguido,

Desde a rama às raízes

Era seiva e sentido.

 

Agora jaz no chão.

Palpita ainda, e tem

Vida de coração...

Mas não ama ninguém.

 

Coimbra, 23 de Julho de 1942

07493_HD.jpg

 

29
Mar15

Poesia e Fotografia 45

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

DESTINO

 

Vai um barco no rio.

É uma vela enfunada

Desta manhã de frio

E desta luz cansada.

 

Passa devagarinho

E lá se perde ao fundo,

A seguir o caminho

Que tudo tem no mundo...

 

Coimbra, 27 de Janeiro de 1942

08466_HD.jpg

 

25
Mar15

Poesia e Fotografia 44

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

SÚPLICA

Rio, que levas o meu sangue ao mar

E no mar o sepultas,

Doira a minha memória.

Conta às ondas e ao vento

A desumana história

Da minha dor.

Que não julguem que tudo se resume

A uma gota de sol e de perfume

Diluída no pó da tua cor.

 

Régua, 6 de Janeiro de 1942

DSC_0003 (230).jpg

 

25
Mar15

Poesia e Fotografia 43

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

INSTANTE

A cena é muda e breve:

Num lameiro,

Um cordeiro

A pastar ao de leve;

 

Embevecida,

A mãe ovelha deixa de remoer;

E a vida

Pára também, a ver.

 

Estrada Castelo Branco-Tomar, 30 de Setembro de 1941

683726__sheep-profile-freewallpapers-wallpapers_p.

 

25
Mar15

Poesia e Fotografia 42

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

CORREIO

 

Carta de minha mãe.

Quando já nem nenhum Proust sabe mais enredos,

A sua letra vem

A tremer-lhe nos dedos.

 

- «Filho»...

E o que a seguir se lê

É de uma tal pureza e de um tal brilho,

Que até da minha escuridão se vê.

 

Coimbra, 3 de Setembro de 1941

05495_HD.jpg

 

 

25
Mar15

Poesia e Fotografia 41

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

DÚVIDA

 

Anoiteceu.

Aqui sentado, pensava

Na minha vida;

Nesta tristeza arrastada

Que ninguém quer alegrar;

Nesta fogueira cercada

Duma invernia polar.

 

E a mim mesmo perguntava

Se dessa vida ficava

Pelo menos uma baba

Igual à do caracol.

Uma excreção que brilhasse

Quando nela reparasse

A luz do sol.

 

Coimbra, 15 de Agosto de 1941

08277_HD.jpg

 

 

24
Mar15

Poesia e Fotografia 40

 

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

LEZÍRIA

 

 

São duzentas mulheres. Cantam não sei que mágoa

Que se debruça e já nem mostra o rosto.

Cantam, plantadas n’água,

Ao sol e à monda neste mês de Agosto.

 

Cantam o Norte e o Sul duma só vez.

Cantam baixo, e parece

Que na raiz humana dos seus pés

Qualquer coisa apodrece.

 

Ribatejo, 11 de Agosto de 1941

terras-de-arroz.jpg

 

 

 

22
Mar15

Poesia e Fotografia 39

 

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

ESCUTA

  

Ouço o dia.

Chora uma nora perra num quintal;

Canta melancolia

Um cuco, além, num pinheiral.

 

Do mormaço do sol, quente,

Ouço apenas mormaço;

Mas ouço-o perfeitamente,

Na auscultação gelada que lhe faço.

 

Duma voz infeliz,

Que ma fala das brumas da saudade,

É que não ouço bem o que me diz,

Embora me pareça que é verdade...

 

Também ouço a pancada

Deste meu coração que não desiste.

E não oiço mais nada.

Um dia realmente triste.

 

Coimbra, 5 de Julho de 1941

07262_HD.jpg

21
Mar15

Poesia e Fotografia 38

POESIA E FOTOGRAFIA

 

POEMAS NOS DIÁRIOS DE MIGUEL TORGA

   

PASSEIO

  

Vou pelos campos fora, a ver

As velhas maravilhas que se sabem:

Milho verde a crescer

E ninhos onde os filhos já não cabem.

 

Vou como erva ou bicho, que respira

Mas já tem míldio ou peste no tutano;

Vou ver a mentira

Desta pujança que não dura um ano.

 

Campos do Mondego, 29 de Junho de 1941

002629.jpg

 

Pág. 1/3

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • zassu

    Obrigado pela coreção.A. souza e Silva

  • Anónimo

    Capela do Socorro (https://viladoconde.com/capela-...

  • Anónimo

    Há decénios que Chaves está em dívida com Miguel T...

  • Fer.Ribeiro

    Sem comentários!

  • Anónimo

    Indique-me o seu mail, por favor.

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D